Blog

22/10/2023

Tem que ter coragem!

Fala corredor, Maratona

Por Polyane Figueiredo.

.

Eu sempre achei que, na vida, a gente precisa viver muito mais do que simplesmente existir. Temos que fazer parte daquele 1% que sai da rota padrão da vida.

.

Por isso, aos 24 anos, fui para Moçambique em uma experiência que mudou minha vida. Aos 36 resolvi correr uma maratona. A Maratona de Berlim foi a escolhida para consagrar este grande desafio!

.

Minha preparação foi diferente: corri pra viajar e viajei pra correr. Escolhi oito desafios para treinar.

.

Os quatro primeiros foram nos 21km: Boníssima Run (em BH), Intn’l Marathon Varadero (em Cuba), Meia Internacional da Cidade de São Paulo (em SP) e a Meia das Cataratas (em Foz do Iguaçu). Me consagrei nas meias maratonas rsrs.

.

As quatro primeiras meias maratonas do primeiro semestre de 2023!

.

Em junho, em Porto Alegre, senti que o ciclo oficialmente começou e os 26km foram lindos! Depois veio a Hoka Speed Run em São Paulo… 30km: foi a primeira vez que comecei a correr com dor. Ela começou no dia anterior, e dali pra frente isso se tornou rotina. O diagnóstico? Fratura por stress nas duas canelas.

.

Um tempo parada para tentar recuperar, confusa e chegou a prova em Blumenau. Eu cresci muito nessa corrida: um trabalho mental forte pra chegar aos 32km e andar os próximos 10km (essa prova é meu xodó, no regulamento a primeira maratona).

.

Mais duas semanas parada, treinos com dores e veio Floripa: o longão desafiador de 36km. Nessa corrida eu errei feio, não me concentrei e quebrei no km 23. Não consegui administrar bem, os últimos 6km foram mancando como em alguns treinos, mas persisti em complatar os 36km e andei até os 42k (no regulamento, a segunda maratona).

.

Quatro grandes treinos de luxo no ciclo para a Maratona de Berlim: provas para rodar um alto volume em grande estilo.

.

Foi só no último longão, no meu local habitual de treino, a Lagoa Seca do Belvedere, que eu consegui me tranquilizar e aceitar que a maratona seria bem diferente do que eu tinha planejado. E assim seguimos até o grande dia

.

Enfim, tem que TER CORAGEM!

.

Tem que ter coragem para seguir uma rotina de treinos, tem que ter coragem para acordar as 4hr da manhã e fazer um longão sozinha no escuro, tem que ter coragem para sair de casa mancando e mesmo assim treinar, tem que ter coragem para escolher provas para treinar e terminar andando, tem que ter coragem para não abandonar os treinos com as dificuldades que aparecem no meio do caminho, tem que ter coragem para ver o desempenho cair e seguir em frente, tem que ter coragem para aceitar que o resultado da primeira maratona foi bem aquém do esperado mas mesmo assim se orgulhar muito dele!

.

Essa maratona representa muito mais que os 42.195m. Reepresenta um ano que eu defini um plano e insistentemente persegui cada meta. Por isso cruzar a linha de chegada teve um sabor especial.

.

.

A grande conquista: Berlin Major Marathon!

..

Naprova, o que sobrou de pulmão faltou de perna (que incrivelmente não foi causada pela fratura por stress na duas canelas que me testou a paciência durantequase todo ciclode treinos), e não teve força de vontade que me fizesse ir mais rápido, algo que só encarei no km30 e só esqueci no km40, quando o tempo se reduziu à sua insignificância, as lágrimas se misturaram com um largo sorriso e cruzar a linha de chegada teve uma sensação de conquista e merecimento incrível, que eu nunca irei esquecer.

.

Que eu continue vivendo, até porque tem que ter coragem pra começar a pensar em fazer isso tudo de novo!

Compartilhe:

Receber comentários por email
Avise-me de
guest
1 Comentário
mais antigos
mais novos mais votados
Inline Feedbacks
View all comments
Darque
Darque
7 meses atrás

Parabéns Poly, você foi guerreira e não desistiu do seu sonho e alcançou seu objetivo TEM QUE TER CORAGEM!!! E você teve muito mais que isso…

Vamos Treinar?

Conheça o treinamento online BHRace. Corra onde e quando quiser, com orientação profissional.