Blog

10/07/2018

Rolinho de liberação miofascial

Post da Nagai

Ele fica repousando geralmente sobre um colchonete ou sobre uma lona, aguardando alguém vir em sua direção, seja “espontaneamente” – motivado pelo peso na consciência ao lembrar da indicação expressa do fisio ou pela recomendação do treinador no ponto de apoio.

É chamado de “Rolo para liberação miofascial” ou “Rolo para soltura”. Encontrado em lojas de produtos fisioterápicos e produtos hospitalares, algumas lojas esportivas, Amazon, Mercado Livre, Lojas Americanas, etc.

Ele pode possuir diâmetros variados, ser produzido com base em PVC e recoberto por camada de EVA (borracha) ou em espuma. Podem ser lisos ou com ranhuras, e ter mais rigidez ao pressioná-lo contra ao músculo tenso.

Custa de R$45 a 145 reais.

Recomendado para pré-treino para soltar ou pós-treino para liberar a tensão na região da fáscia, massagear, aliviar e dar uma sensação de conforto depois do treino mais “pauleira”.

Todos atletas devem ter uma história com o famoso rolinho azul e amarelo do ponto de apoio da BHRace para relatar numa resenha.

 

Dor & Tortura

A atividade física, principalmente a corrida, acaba criando alguns nós ou “trigger points” na fáscia.

Sabe quando durante o treino, a panturrilha parece um pisca-pisca de árvore de natal?

Só que ao invés de luzes, são dores localizadas latejantes?

Identifico-os desta maneira e dependendo do tamanho, são perceptíveis pelo tato.

Na minha panturrilha, tenho os nós “companheiros”, parceiros de treino que nunca me abandonam aonde quer que eu vá.

Basta 2 a 3 treinos intensos que eles retornam, mesmo depois de uma boa sessão de liberação na Fibra Fisioterapia.

Depois de bufar e quase sentir o coração saindo pela boca no treino, você volta ao ponto de apoio e puxa o rolinho para debaixo da sua panturrilha ou quadril fazendo a rolagem.

A ideia é pressionar a região dolorida, procurar o local da dor e praticamente sentar nela, largar todo o peso sobre o rolinho.

Tem que ser muito masoquista, né.

Não dá nem para manter aquela carinha boa, rolinho sem careta então é um desafio.

Enfim, é uma forma de tortura moderna para um corredor, que sempre tem algum músculo cansado, fadigado, etc.


Seria sincero o sorriso do Cavani ao usar o Stick na banda? Olha que o rolinho também esta em cena ali do lado.

Rolinho & Eu

Já ouvi de fisioterapeutas que o rolinho é um investimento interessante para um atleta.

Acreditando nessa máxima, comprei meu rolinho.

Ele fica na cabeceira da cama e quando tenho vontade (que é praticamente inexistente), passo o rolinho principalmente nos músculos posteriores enquanto assisto a jogos de NBA, tênis e agora, Copa do Mundo.

Quando estava com a Canelite, eu usava após todos treinos ou com qualquer percepção de que o músculo estava tenso, rígido.

Obviamente doía demais, mas tanto fiz que quando fui na Fibra novamente, a panturrilha não lesionada estava mais tensa e dolorida do que a panturrilha que antes estava lesionada.

Seria tão bom se a panturrilha ficasse mais alongada permanentemente a ponto de ganharmos uns centímetros a mais e ficarmos mais altos.

Passada a lesão, andei aposentando o rolinho.

Cansei.

Se tenho minutos livres, não é rolando sobre a dor que vou investir esse precioso tempo! Rsrsrs.

Afinal descanso também é treino.

 

Quando e como usá-lo? Respostas difusas e bem particulares

Mesmo não sendo a pessoa mais dedicada ao rolinho pré ou pós treino, ele ainda exerce um fascínio sobre a minha pessoa.

Busco informações a respeito e vejo uma profusão de recomendações, opiniões a favor e contra que me confundem.

Algumas fontes evidenciam que o sentido de “rolagem” errado pode comprimir e tensionar ainda mais a região afetada, piorando a situação.

E que haveria uma orientação correta em relação ao sentido de fibras para usar o rolinho e executando o movimento correto, este seria capaz de alongar a musculatura, diminuir a tensão muscular.

O mais indicado diante das dúvidas é falar com seu treinador, fisioterapeuta e pessoas da área para orientações de como fazer o movimento de maneira eficiente, pois não temos tempo a perder.

A própria experiência e falando com outros atletas nos ajuda a discernir quando o rolinho é mais eficiente.

A grande maioria com quem converso é a favor do rolinho ou de outros da família do rolinho que são o stick ou bastão e também, a bolinha de tênis.

A bolinha de tênis é ótima para aliviar a sola do pé e bem mais efetiva (dolorosa), na minha opinião, sobre nós na panturrilha ou dores pontuais.

O rolinho me ajuda mais no posterior de coxa e panturrilha.

Já o stick é excelente para região mais “central” da banda iliotibial ou para massagem na região de costas e pescoço quando se tem ajuda de alguém.

No preparativo para aquela prova alvo do ano, gosto de fazer uma sessão com o Fisio, cerca de 4 dias antes, assim deixo minhas panturrilhas e banda nas mãos de quem entende.

Enfim, cada atleta tem uma série de recomendações e opiniões das mais diversas. Existe muitas perguntas, mas não existe uma resposta exata e definitiva a respeito do rolinho.

 

 

Vamos Treinar?

Conheça o treinamento online BHRace. Corra onde e quando quiser, com orientação profissional.


Deixe seu email e receba nossa news