Blog

06/03/2018

Gravidez e corrida por Letícia Backes

Mulher, Relatos

Segue nosso segundo conteúdo do Mês da Mulher.

Dessa vez chamamos nossa atleta Letícia Backes para falar sobre um tema ainda pouco debatido na internet: gravidez e corrida!

Letícia correu nada mais nada menos que a Maratona do Rio 42km grávida (alguém conhece outra mulher que fez isso?)!

Além disso ela se manteve correndo e fazendo musculação até as últimas semanas da sua gravidez. Fofa demais!

Quer saber como foi ? Acompanhe a entrevista que fizemos com ela:

 

1 – Você ficou sabendo que estava grávida no meio da preparação para Maratona do Rio 2017, certo? Quantos meses você tinha de gravidez e quanto tempo faltava para a prova?

Descobri que estava grávida faltando exatamente 10 dias para a prova e estava com 7 semanas de gravidez, ou seja, na prova estaria com 9 semanas um pouco mais que dois meses.

 

2- Por que você decidiu manter os treinos e correr a maratona?

Quando descobri que estava grávida pensei que teria que desistir da maratona. Mesmo tendo me preparado tanto para ela.

Na época  pesquisei bastante na internet e não achei nada sobre corridas longas na gravidez. No máximo encontrava casos de pessoas que correram meia maratona grávidas.

Fiquei muito em dúvida sobre correr ou não. Apesar de ver que no geral as pessoas eram muito conservadoras quanto a atividade física e gravidez, eu nunca encontrava estudos ou psquisas relacionando atividade física ou o excesso de atividade física com problemas na gravidez.

Os médicos não estão muito acostumados com pessoas que os procuram grávidas perguntando se podem correr maratona, então acredito que esse não seja um assunto que a maioria dos médicos esteja inteirado ou que buscam estarem atualizados.

A maioria dos médicos me diziam que não acreditavam que correr a maratona poderia fazer qualquer mal ao bebê, mas não ficavam muito confortáveis em me liberarem para correr a maratona. Como eu já havia feito os treinos de 30, 32 e 36km grávida (sem saber), mantendo o ritmo que queria fazer na maratona (5min/km), não havia me sentido mal e tive liberação médica, resolvi enfrentar a maratona porém pegando leve em relação ao objetivo que eu tinha anteriormente e com muita responsabilidade (bebendo muita água e com a consciência de que qualquer indisposição que eu tivesse, deveria abandonar a prova)

 

3- Quais foram as recomendações do seu médico e do seu treinador Fillipe Biancardi em relação a corrida e gravidez? O que mudou no seu treinamento?

A médica me recomendou manter durante a gravidez a corrida e as demais atividades físicas que eu já praticava enquanto eu sentisse que elas estavam me fazendo bem.

Ela me dizia que atividade física só traria benefícios para minha gravidez. Quanto à maratona, ela me recomendou pegar mais leve do que eu estava preparada, tomar muito líquido durante toda a corrida e abandonar a prova caso sentisse qualquer mal estar.

O meu técnico Fillipe me informou que só deixaria eu realizar a prova se tivesse a autorização médica e me deu todo apoio e orientação.

Me recomendou reduzir o ritmo que havíamos planejado, beber muita água e ter muita atenção aos sinais do meu corpo ao longo da prova. Como descobri que estava grávida muito próximo da prova e levei um tempo até encontrar minha médica e ter a liberação, voltei a treinar apenas muito próximo da data da corrida, então só fiz os treinos mais leves para estar bem disposta na maratona.

 

4- Além do treinamento de corrida você realizou algum trabalho de fortalecimento muscular?

Durante toda a gravidez fiz também musculação e spinning.

 

5- Como foi a prova e como você se sentiu percorrendo 42km com sua filha na barriga?

Eu estava muito ansiosa e com muito medo de sentir qualquer mal estar durante os 42km. Meu objetivo inicial era realizar a maratona numa média de 12km/h porém devido à gravidez decidi não ultrapassar 11km/h em nenhum momento.

Larguei já tentando manter uma média de 10,5km/h. Meu objetivo mudou completamente, pois anteriormente era completar a prova em um tempo que eu considerava bom para mim e depois passou a ser apenas completar a prova sem criar nenhum tipo de risco para meu bebê.

Durante toda a corrida prestei bastante atenção no meu corpo, peguei água em todos os pontos de hidratação (o que eu não faria normalmente) e realmente bebia a água (o que eu também não faria normalmente).

A prova foi maravilhosa! Acredito que consegui aproveitar muito mais a maratona do que se eu tivesse corrido no tempo que planejava. Finalizei em 3 horas e 59 minutos e cheguei completamente inteira, então aproveitei a prova toda.

Corri todo o percurso com muita emoção e sentindo muito orgulho por estar realizando minha primeira maratona e ainda com minha filha na barriga.

Tinha certeza que esse momento seria guardado na memória para o resto da minha vida!

 

 

6- Após a maratona você continuou treinando? Até quantos meses você se manteve ativa com a corrida?

Eu corri durante toda a gravidez! Parei de correr apenas nas semanas 35 e 36 pois eu já estava tendo dilatação e a médica achou melhor parar para não correr o risco de ter o bebê prematuro. Porém após a semana 36 ela me liberou novamente.

Claro que naturalmente as velocidades e distâncias foram diminuindo e no final da gravidez eu tinha que fazer alguns intervalos de caminhada pois não conseguia mais apenas correr.

Na última semana eu praticamente caminhava o tempo todo e corria apenas alguns metros intercalando com caminhada.

No dia que minha bolsa estourou, com 39 semanas e 4 dias, eu havia caminhado e corrido.

7- Quando as pessoas te viam correndo com “barrigão” qual era a reação?

Muitas pessoas apenas me olhavam com espanto rsrs, mas todas que interagiam comigo demonstravam admiração e me incentivavam. Muitas falavam: “esse bebê já vai nascer correndo hein”.

 

8- Quanto de peso você ganhou durante a gravidez?

Eu ganhei 11kg, um pouco mais do que eu pretendia, mas isso se deve ao fato de a Lara ter nascido logo após o natal e reveillon. rsrs

 

9- Como foi seu parto? Você acha que a corrida lhe ajudou nesse momento?

Eu acho que a corrida fez toda a diferença em minha gravidez e também na hora do parto. Minha gravidez foi toda muito tranquila, sem nenhum enjoo, indisposição, ou qualquer outra dificuldade.

Tudo que me falavam que eu iria sentir, eu não senti em nenhum momento da gravidez.

Eu sempre dormi com muita facilidade, em qualquer posição e sem sentir nenhum desconforto, não senti nenhuma alteração de humor, não tive enjoos, não senti a barriga pesando e dificultando para fazer as coisas do dia a dia (claro que ficava cansada com mais facilidade), utilizei salto alto todos os dias até o último dia de gravidez e consegui manter a atividade física até o final.

Acredito que tudo isso se deve ao meu histórico de atividade física e ao fato de eu ter continuado correndo ao longo da gravidez.

Quanto ao parto, tentei normal porém após 15 horas em trabalho de parto tive que ir para a cesárea. Com apenas um dia tive alta do hospital (normalmente cesárea a alta ocorre após pelo menos três dias) e minha recuperação foi muito rápida. Com certeza tudo isso se deve ao fato de eu sempre ter corrido e praticado muita atividade física.

 

10- E agora com o nascimento da filhota como ficou os treinamentos? Tem conseguido achar tempo para treinar em sua rotina?

Com 20 dias minha médica me liberou para realizar apenas caminhadas e agora me liberou para fazer musculação leve.

Então todos os dias tenho realizado caminhadas e musculação, porém para correr ela pediu para esperar até 60 dias por causa da cesárea.

Assim que minha filha tiver dois meses, com certeza voltarei a correr.

 

11- Qual seu próximo desafio na corrida em 2018?

Agora em junho vou fazer a meia maratona de Porto Alegre.

Como começo a treinar apenas dia 17 de março, não terei tempo suficiente para estar tão bem preparada para essa prova. Meu objetivo é apenas completa-la.

Ainda não pensei em outros objetivos para o ano, mas acredito que esse já está bem desafiador.

 

12- Qual o recado você daria para as mamães corredoras que desejam engravidar?

Falaria para elas, claro que com autorização médica, manterem a corrida durante toda a gravidez ou até o momento que elas sentirem que a corrida ainda está fazendo bem, pois com certeza isso fará toda a diferença na gestação e também na recuperação pós parto.

A corrida me trouxe muita disposição e fez com que toda a minha gravidez fosse tranquila e sem as dificuldades que eu tanto ouvia de outras colegas grávidas.

Além de auxiliar no controle do peso durante a gestação e na recuperação do corpo no pós parto. Durante toda minha gestação eu ouvia de muitas pessoas que nem parecia que eu estava grávida, e não por não ter barriga, pois ouvia isso inclusive com o barrigão da última semana, mas por ter disposição de sobra.

Após o nascimento de minha filha, passei a ouvir que nem parecia que eu tinha acabado de ter um bebê.

Tudo isso graças à corrida. Então recomendo que continuem correndo, enquanto se sentirem bem, pois isso com certeza só trará benefícios à gravidez e a saúde da nova mamãe!

 

 

Recado importante: A equipe técnica da BHRace considera fundamental  e obrigatório o acompanhamento médico para mamães que desejam se manter treinando durante período de gestação.  Também consideramos importante a escolha de um médico que seja atualizado cientificamente com o tema exercício físico e gravidez. Sugerimos que se evite profissionais medrosos que querem fugir de responsabilidades desconsiderando sintomas, falas e desejo de suas pacientes. 😉

 

Compartilhe:

Vamos Treinar?

Conheça o treinamento online BHRace. Corra onde e quando quiser, com orientação profissional.


Deixe um comentário

avatar
  Receber comentários por email  
Avise-me de

Deixe seu email e receba nossa news