Blog

25/09/2017

Viajar para correr. Correr para viajar.

Dicas BHRace, Post da Nagai, Roteiros e viagens

Viagens a lazer são ótimas, ainda mais quando se alia isso à corrida. Foi isso que planejei com a viagem a Chicago que está chegando: visitar um amigo que estuda lá, conhecer pontos turísticos e… que coincidência, no mesmo período da Major Marathon. Não vou negar que juntei a “fome com a vontade de comer”.

Deixar de fazer o devido planejamento e ter que ficar na correria  para resolver imprevistos que poderiam ser facilmente evitados não é o ideal. Então, seguem algumas dicas pra quem vai competir fora do estado ou fora do país e não quer que aconteça algo de errado em sua viagem.

 

Kit de corrida na mala de mão!

O kit de corrida que me refiro é tudo que vai usar na prova (tudo mesmo) e já fez diversos treinos com esses itens de confiança – que são os que não lhe causam bolhas, assaduras, unhas perdidas e tantos outros incômodos.

Ou seja, seria shorts ou calça, top, camiseta ou regata, par de meias, tênis, relógio GPS e cinta, sensor para medição de batimento cardíaco, viseira ou boné. Só o carboidrato em gel que vai na mala a ser despachada em casos de vôos internacionais, que têm mais rigor com conteúdo levado na mala de mão.

Melhor zerar risco de não ter seu kit numa mala extraviada do que passar sufoco e se estressar desnecessariamente.

 

Documentação para Prova.

Saber dos requisitos para prova é fundamental, pois em alguns casos é cobrado exame médico do atleta como na Maratona de Buenos Aires deste ano.

Algumas provas podem pedir a apresentação de cópia de comprovante de inscrição, recibo de pagamento, etc.

Não se esqueça de consultar a página do evento que sempre tem uma seção de “informações gerais” ou o próprio regulamento.

 

Aparatos eletrônicos: como viver sem eles?

Cabos, carregadores para celular, tablet, relógio e outros devem estar no seu checklist. Inclusive adaptadores para padrões de tomada que sempre temos em casa e acabamos adquirindo novos sem necessidade por esquecer de colocar na mala.

Claro que as chances de encontrar outros atletas e amigos que possam emprestar é grande, mas bom não depender, certo?

Outra coisa que me deu muita autonomia foi adquirir carregador portátil de celular para você ter pelo menos uma carga de reserva. Nestas viagens, tiramos muitas fotos, usamos muitas redes sociais e ouvimos música nos trajetos. O consumo de bateria aumenta e quando mais precisar do seu celular, ele está sem carga!

 

Hospedagem garantida.

Sempre quando tenho em vista uma viagem pela frente, faço uma pré-reserva em alguma opção de hotel com cancelamento gratuito se feito até 3 dias antes da data de início da reserva.

Depois, com mais calma, procuro opções mais em conta ou aguardo meu grupo de amigos definir onde irão se hospedar.

Tentei usar um aplicativo de hostels pra hospedagem da Maratona de Chicago e o dono do imóvel cancelou minha reserva a 2 meses da viagem, acabei optando por hotel pela perda de confiança neste esquema. Por essa razão, lhe aconselho a manter a reserva com cancelamento gratuito até o último instante.

 

Tamanho da Bagagem.

As companhias aéreas tem regras de bagagens distintas e as tarifas para quem ultrapassa em tamanho, peso ou opta por uma bagagem adicional são de 100 a 200 dólares para vôos aos Estados Unidos, por exemplo.

Então se programe para comprar uma nova bagagem ou pegar emprestado caso não atenda a esses requisitos. A boa notícia é que as malas mais novas são confeccionadas com materiais mais leves, pesando entre 2,5-3kg, reduzindo assim o “peso morto” da franquia de bagagem.

 

O que levar na mala despachada?

Algumas perguntas precisam ser respondidas quando se faz mala para um destino:

  • Qual previsão de mínima e máxima temperatura?
  • É um período de chuvas ou ventanias?
  • Quantos dias permaneço lá?

As temperaturas obviamente determinam se sua mala vai ser de verão, meia-estação ou inverno. Locais com temperaturas muito baixas exigem roupas mais pesadas, que mesmo usando todo seu vestuário invernal, não vai ser suficiente.

Chuvas pedem roupas e sapatos impermeáveis; ventos fortes pedem peças corta-vento, roupas com tramas mais fechadas, golas altas e cachecóis.

Por fim, a quantidade de dias define quantas peças levar… Não carrego, por exemplo, 10 camisetas se vou viajar por 10 dias. Penso em combinações de roupas compatíveis com a quantidade de dias prevendo que vai ter repetições (posso mandar na lavanderia ou lavar no banheiro do quarto mesmo).

Adoro fazer listas, então anoto tudo que vou levar. Depois coloco todos os itens sobre a cama pra pensar nas tais combinações. Daí são escolhidas as peças mais versáteis!

Roupas de corrida devem ser coerentes com a temperatura no dia da prova e considerar que na prova você estará com corpo aquecido. Já me recomendaram  vestir para uma temperatura 5 graus acima da temperatura no horário do evento. Ou seja, se no dia estiver 10 graus, se preparar para 15 graus…

No meu caso, sigo a regra de até 10°C uso legging, segunda pele abaixo da camiseta verdinha da BHRace e agasalho antes da largada. Entre 10 e 15°C, segunda pele sob a camiseta e shorts. Acima disso, apenas camiseta e shorts!

 

Garantir o mínimo de planejamento faz da sua experiência mais gratificante! Boa prova!

 

Compartilhe:

Deixe um comentário

avatar
  Receber comentários por email  
Avise-me de

Vamos Treinar?

Conheça o treinamento online BHRace. Corra onde e quando quiser, com orientação profissional.

Deixe seu email e receba nossa news