Blog

08/11/2013

OSTEOPENIA EM CORREDORES

Coluna do treinador

Semana passada uma das nossas atletas teve o alerta de osteopenia ao realizar o exame de densitometria óssea solicitada por sua ginecologista.

Imediatamente trouxemos o tema para nossa reunião de treinadores e o resultado foi uma discussão interessante banhada de informações tão relevantes que decidi compartilhar com vocês.

A osteopenia é o enfraquecimento dos ossos ou  diminuição do minerais que constituem os ossos (cálcio e fósforo). Ela antecede a osteoporose quando não observada e tratada.

Ao contrário do que se pensa, a falta desses minerais na alimentação não é a principal causa da perda óssea.
Os ossos assim como todos os tecidos do nosso corpo estão constantemente em processo de renovação. Os responsáveis por essa constante reestruturação são duas células “guerreiras”:  osteoblastos que desconstroem os ossos antigos  e osteócitos que constroem o novo tecido ósseo.

Para os osteócitos (que reconstroem) trabalharem direitinho eles precisam de dois estímulos: estímulo mecânico (impacto e tensão) e estímulo hormonal (testosterona e estrógeno).

Isso explica a osteopenia ser muito comum em mulheres no período da menopausa onde a queda hormonal é maior, além obviamente do sedentarismo ou falta de impacto e tensão óssea, muito comum com o passar da idade em ambos os sexos.

Bem, a saída (não medicamentosa) de quem já se encontra com perda óssea significativa é: cuidar da alimentação, tomar 10 minutinhos de sol por dia (para síntese da Vitamina D)  e realizar atividade física periodicamente.

O exercício físico mais recomendado segundo estudos é a musculação, que não somente produz tensão nos ossos  como também estimula em médio prazo a produção dos hormônios sexuais (testosterona e estrógeno) combatendo assim as duas ausências de estímulos dos nossos osteócitos.

A corrida vem em segundo lugar! Obviamente quando bem orientada e com progressão correta principalmente no que diz respeito ao volume de treinamento.

A dica é conciliar corrida e musculação, o que seria sem dúvida o melhor caminho.

Atividades como ciclismo e hidroginástica não são recomendadas por não causar impacto e por isso não contribuir significativamente para ser considerada um tratamento.

Por ser uma doença silenciosa, vale pesquisar mais e contar com acompanhamento médico periódico,  assim como o auxílio constante de nutricionistas e educadores físicos.

Importante ressaltar que todos nós perdemos massa óssea, temos apenas que verificar se a velocidade dessa perda está acima do aceitável. De qualquer maneira atividade física com impacto é sempre muito bem vinda, tanto para prevenção quanto para o tratamento da osteoporose.

Assinatura Iuri

Compartilhe:

Receber comentários por email
Avise-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
ANNETTE LOURES
ANNETTE LOURES
8 anos atrás

Muito bom, Iuri ! Informações mais do preciosas !
Li e reli !

Obrigada , vc é um grande treinador ! Abraços!

Vamos Treinar?

Conheça o treinamento online BHRace. Corra onde e quando quiser, com orientação profissional.